NOSSA LUTA PELA EDUCAÇÃO DE QUALIDADE EM FORTALEZA

04/10/2020

A Educação muda o mundo e isso não é apenas uma frase de efeito, é fato. Quanto mais se investe em educação pública de qualidade, mais rica fica uma cidade. Mais chances seus cidadãos e cidadãs terão de ter uma vida melhor. Além disso, o ambiente escolar é um dos primeiros espaços em que o ser humano vive em sociedade, com suas diversidades de pensamento, étnicas e culturais, religiosas, sexuais, por exemplo. A escola também é um ambiente que envolve trabalhadores e trabalhadoras, pais e mães e a comunidade. Nosso mandato está atento a tudo isso e tem trabalhado por uma educação pública de qualidade em Fortaleza.

Nesse sentido, cobramos a ampliação do número de creches e centros de educação infantil, propusemos emendas ao orçamento para a transferência de recursos da publicidade institucional para a educação municipal e apresentamos proposta para a inclusão no Plano Municipal de Educação da formação a pacificação de diálogos, focando na superação de preconceitos, discriminações e violências. Apresentamos um projeto que defende a liberdade de cátedra e por uma escola sem censura. Também propusemos a  inclusão de assistentes sociais, psicólogos e terapeutas ocupacionais nas escolas. É de nossa autoria também a ideia de que a merenda escolar municipal tenha alimentos orgânicos ou agroecológicos

Na defesa dos trabalhadores e trabalhadoras da educação, cobramos o pagamento antecipado dos 40% do décimo terceiro, férias e reajuste acordado pela gestão, estivemos ao lado dos professores substitutos do edital n° 104/2018 e participamos das manifestações e cobranças dialogando com sindicatos e movimentos sociais. Fiscalizamos escolas para ver a estrutura e cobrar melhorias estruturais para profissionais e estudantes. 

Com a pandemia, nosso mandato cobrou o fornecimento de kits de merenda escolar para os alunos(as) receberem em casa. Por fim, preocupados com a saúde de estudantes, profissionais e suas famílias, defendemos que as aulas só voltem quando houver vacina ou mediante protocolos rígidos, dialogados e consensuados amplamente com todos e todas que fazem a comunidade escolar, para evitar qualquer risco à vida.